Connect with us

Escolas

Secretário de Estado defende a importância de ouvir os alunos

Joana Alves

Publicado há

em

FENPROF, COVID-19, Escolas, Ministério da Educação

Foi esta segunda-feira, dia 15 de março, que começou o primeiro dia de um plano de desconfinamento “a conta gotas”, anunciado ao país na última quinta-feira.

A abertura das escolas primárias, creches e atividades de tempos livres (ATL) levaram 1 milhão de portugueses a sair de casa, o que se notou pelo elevado número de carros a circular, que deu lugar a algum trânsito nas grandes cidades ( Porto e Lisboa).

De recordar que foi no final de janeiro que o Governo decidiu suspender as aulas presenciais por duas semanas, tendo iniciado a 8 de fevereiro com ensino à distância. Passados agora quase dois meses da suspensão das atividades letivas presenciais, os alunos do ensino pré-escolar e do primeiro ciclo voltam a ter alguma normalidade.

No dia 5 de abril é a vez das escolas do segundo e terceiro ciclos abrirem novamente portas e passado duas semanas-19 de abril, voltam os alunos do ensino secundário e superior.

Esta segunda-feira teve lugar o seminário online: “Psicologia da Educação: Bem-estar e Sucesso Educativo”, promovido pela Direção-Geral da Educação e pela Ordem dos Psicólogos Portugueses, em que o secretário de Estado da Educação, João Costa, defendeu “que todas as escolas devem ouvir os alunos, porque eles sabem melhor do que ninguém como se sentem”, segundo o JN.

 “É importante ouvir a voz dos alunos, ouvi-los muito e pôr toda a escola a ouvi-los”, deixou claro João Costa.

Em relação ao plano de atividades que foi afetado em consequência da pausa letiva, o secretário de Estado admite que os alunos em situação mais vulnerável ficaram ainda mais vulneráveis com o confinamento.

Desta forma, o Ministério da Educação fez um estudo, com base numa amostra e pretende ouvir as escolas, os professores e os psicólogos, (que foram solicitados por cerca de 35% das escolas), para perceber ao certo qual o impacto da pandemia na aquisição de aprendizagens por parte dos alunos.

Contudo, o secretário de estado, João Costa sublinhou que deve ser uma tarefa de todos: “O bem-estar dos alunos é feito de equilíbrios e é fundamental a intervenção comunitária para conseguirmos ir mais longe.”

 

Publicidade
Clica para comentar

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *