Connect with us

Em destaque

Já pensaste em fazer um Gap Year?

Joana Fonseca

Publicado há

em

Adobe Stock /Cedidas pelos entrevistados

Por esta altura já deves ter ouvido falar deste nome, mas também é possível que não saibas exatamente o que signifi ca. Um Gap Year, diz quem sabe, é uma vivência inesquecível e muito mais que um interregno escolar para viajar pelo mundo. Falámos com Constança Sousa, Country Manager da EF – Education First, uma empresa especializada em programas de educação internacionais, para te explicar tudo sobre o Gap Year.

O QUE É?

Um Gap Year é um período de tempo em que fazes uma interrupção no teu percurso académico para conhecer o mundo e fazer uma série de coisas que não aprendes na escola. Constança Sousa é Country Manager da EF – Education First, e explica-te melhor que coisas são essas: “Conhecer novos lugares e novas culturas, falar novas línguas, tomar contacto com novas realidades. O facto de estares fora do teu ambiente “normal” faz-te escolher tudo de raiz, e assim perceber se o que fazes é porque realmente gostas, ou se fazes porque a nossa sociedade o impõe. É como se tivesses uma tela branca onde desenhar a vida que queres levar durante esses meses”, afirma ainda. É por isto que muitos jovens afirmam ter-se “encontrado” durante a experiência de um Gap Year porque tomam o tempo para pensar no que realmente os preenche e passam a dar valor àquilo que têm.

E há muitas formas diferentes de passares o teu Gap Year da teoria para a prática. Tudo depende do que tu queres fazer. Queres gastar o mínimo de dinheiro possível e andar pelo mundo de mochila às costas, a dormir nas estações de comboios e a cozinhares a tua própria comida? Ou preferes aproveitar bem o tempo para fazer várias coisas, como viajar, fazer voluntariado, tirar cursos de línguas ou até completar um estágio profissional ou viver uma verdadeira experiência de trabalho? Constança Sousa assegura que “há quem se mude para outro país, com estadia e comida asseguradas, e a partir daí faça todas as experiências que esse destino oferece, como mergulhar com golfinhos e tubarões em Honolulu, visitar os fiordes na Nova Zelândia ou ter aulas de caligrafia e rituais de chá na China ou no Japão”. És tu quem manda!

COMO FUNCIONA? POR ONDE COMEÇAR?

Como em qualquer grande passo que dês na tua vida, deves começar por parar para pensar no que realmente queres fazer. Tens a certeza de que é isto que queres? Não vais querer achar mais tarde que este foi um “ano perdido”… Contudo, diz quem sabe, um Gap Year é muito mais do que um ano de viagens: é um ano de melhoramento pessoal. Ao pesquisares online estas duas palavras, vais deparar-te com vários formatos de Gap Year, como começámos por te explicar. Depois, poderás encontrar conceitos específicos desenvolvidos pelas várias empresas que promovem experiências internacionais.

No caso da EF, esclarece Constança Sousa, “como dormir em estações de comboios e andar de mochila às costas não é para todos, apostamos num Gap Year onde, à medida que se vai visitando vários países, o aluno vai aprendendo as línguas locais ao ter aulas de manhã em centros certificados. Assim, ao fim desse ano de descoberta, o aluno deu a volta ao mundo mas traz no bolso um certificado de fluência numa ou mais línguas estrangeiras e até uma experiência de trabalho internacional, se assim o desejar”.

Ao sondares as várias opções, vais encontrar também pacotes temáticos que já incluem tudo o que vais precisar, e que te vão permitir poupar muito dinheiro. No caso da EF, estamos a falar de um regime de alojamento com meia-pensão, o programa de aulas, os livros que vais utilizar, a taxa de inscrição, um seguro de viagem, um seguro de saúde com cobertura internacional e os transferes de e para os aeroportos.

QUER DIZER QUE UM GAP YEAR NÃO É SÓ VIAJAR?

Sabias que muitos jovens decidem fazer um Gap Year porque não sabem que área querem seguir no Ensino Superior? Por isso, no Gap Year existem naturalmente objetivos, e ao planeares a tua viagem, deves estabelecer um conjunto de prioridades a cumprir.

E há muita coisa que podes fazer – cursos certificados de línguas, exames internacionais oficiais, experiências de voluntariado, estágios internacionais, aulas em matérias diversas – e tudo isso pode ajudar-te a descobrir a tua vocação. Constança Sousa dá-te alguns exemplos mais concretos: “Durante o teu período de estudo no teu Gap Year podes escolher cadeiras de vários temas, todas estudadas em língua estrangeira, que te permitem perceber o que é o marketing, o que é gestão ou finanças, estudar jornalismo ou psicologia, teatro ou fotografia digital… as escolhas são múltiplas. No fim, podes complementar com um estágio internacional.”

QUANTO TEMPO DURA UM GAP YEAR?

Este é daqueles casos em que deves estar a pensar que o próprio nome diz tudo… Gap Year dura um ano! Bom, não necessariamente. Constança Sousa explica que cada Gap Year deve ter no mínimo um semestre, exatamente para dar tempo de parares para ponderar o que realmente faz sentido na tua vida.

Quer seja no final do secundário ou da universidade, dentro desse tempo de paragem podes fazer experiências internacionais mais curtas, como por exemplo um curso de línguas de inglês de um mês, outro de espanhol de mais um mês e ainda uma experiência de voluntariado com a mesma duração.

HÁ BOLSAS OU OUTRAS FORMAS DE FINANCIAR UM GAP YEAR?

Gostavas de fazer um Gap Year mas financeiramente é-te difícil assumir todos os encargos? A boa notícia é que, todos os anos, a Associação Gap Year Portugal e fundações parceiras abre concurso para a atribuição de bolsas que cobrem a grande maioria das despesas na realização de um Gap Year.

Contudo, o número de bolsas é reduzido, e a popularidade crescente destes programas leva a que cada vez mais pessoas concorram a estes apoios. Apesar disso, esta experiência deve ser olhada não como uma despesa, mas como “um investimento”, nas palavras de Constança Sousa: “Para a EF, um Gap Year é uma aposta no desenvolvimento da pessoa e não um ano de passeio. Se pagamos a universidade, ou o curso de formação profissional que fazemos, passa-se o mesmo com esta experiência. É um curso profissionalizante, com a mais-valia de se poder conhecer o mundo ao mesmo tempo.”

O QUE PENSA O MERCADO DE TRABALHO?

Outra das coisas em que poderás estar a pensar é a forma como as empresas e o mundo profissional olharão para um currículo onde consta uma pausa de seis meses ou um ano para fazer um Gap Year. A nossa especialista responde: “O mercado de trabalho olha para o Gap Year com muito bons olhos. Independentemente do que fizeste ou de para onde foste, isso demonstra que és uma pessoa sem medo de sair da sua área de conforto, que se adapta a novas realidades e que singra em ambientes desconhecidos. Mostra também que tens um conhecimento amplo de outras culturas e que por isso estarás mais apto a desempenhar funções que requeiram uma presença internacional, sejam elas parceiras, deslocações ao estrangeiro ou fazer parte de equipas multinacionais.”

O GAP YEAR EF

Idade mínima: 16 anos

Duração do programa: Seis meses ou um ano

Países disponíveis: EUA, Canadá, Costa Rica, Austrália, Nova Zelândia, Singapura, China, Japão, Coreia, África do Sul, Malta, Reino Unido, Irlanda, Espanha, França, Itália e Alemanha

Línguas que podes aprender: Inglês, Espanhol, Italiano, Francês, Alemão, Japonês, Mandarim, Coreano

O que trazes contigo no regresso: Uma experiência inesquecível, amigos para a vida toda, certificados de línguas estrangeiras e um CV fortalecido, pronto para abraçar o futuro!

Texto de: Beatriz Cassona

Fica a conhecer a edição de 2020/2021 do Guia de Acesso ao Ensino Superior da Mais Educativa aqui!

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Artigos recentes

Publicidade

Noticias

Publicidade

Publicidade

PGlmcmFtZSAgc3R5bGU9ImRpc3BsYXk6IGJsb2NrOyBtYXJnaW46IDBweCBhdXRvOyIgIGlkPSJfeXRpZF8yODcwNSIgIHdpZHRoPSI0OTAiIGhlaWdodD0iMjc2IiAgZGF0YS1vcmlnd2lkdGg9IjQ5MCIgZGF0YS1vcmlnaGVpZ2h0PSIyNzYiIHNyYz0iaHR0cHM6Ly93d3cueW91dHViZS5jb20vZW1iZWQvUmdEV0xqV1I5LWs/ZW5hYmxlanNhcGk9MSZhdXRvcGxheT0xJmNjX2xvYWRfcG9saWN5PTEmcmVsPS0xJml2X2xvYWRfcG9saWN5PTEmbG9vcD0wJm1vZGVzdGJyYW5kaW5nPTAmZnM9MSZwbGF5c2lubGluZT0wJmF1dG9oaWRlPTImdGhlbWU9ZGFyayZjb2xvcj1yZWQmY29udHJvbHM9MSYiIGNsYXNzPSJfX3lvdXR1YmVfcHJlZnNfXyBuby1sYXp5bG9hZCIgdGl0bGU9IllvdVR1YmUgcGxheWVyIiAgYWxsb3c9ImF1dG9wbGF5OyBlbmNyeXB0ZWQtbWVkaWEiIGFsbG93ZnVsbHNjcmVlbiBkYXRhLW5vLWxhenk9IjEiIGRhdGEtc2tpcGdmb3JtX2FqYXhfZnJhbWViamxsPSIiPjwvaWZyYW1lPg==