Connect with us

Guia de Acesso ao Ensino Superior 2017

No mundo laboral está a verdadeira aprendizagem

Avatar

Publicado há

em

Um estágio é uma experiência fundamental para o crescimento de um jovem profissional, segundo a Margarida Guerreiro, que se encontra atualmente nesse processo. A construção de uma rede de contactos e o know-how adquirido e valorizado pelas empresas são mais-valias de um crescimento contínuo que nunca terá fim, bastando para isso que haja humildade e vontade de aprender.

Nome: Margarida Guerreiro
Empresa e Atividade: Maersk – Transporte Marítimo de Contentores
Curso/Ano: Licenciatura em Gestão no Instituto Superior de Gestão (ISG)
Objetivo Profissional: Gerir a sua própria empresa

Como surgiu a oportunidade de fazer este estágio?
Após a conclusão da licenciatura, e como qualquer recém-licenciado, enviei currículos para uma série de empresas nas quais gostava de trabalhar. Entre alguns “nãos” e ausências de feedback, obtive algumas respostas positivas para entrevistas. As oportunidades existem no mercado – é preciso é estarmos atentos, procurar, tentar e não desistir.
Na minha opinião, o mais difícil é mesmo conseguir uma entrevista. A partir daí, está nas nossas mãos conseguir o lugar. Destaco a importância de estar bem preparado/a para uma entrevista: Uma postura confiante, um discurso eloquente e o conhecimento do lugar para o qual nos estamos a candidatar são pequenos detalhes que fazem a diferença.


Qual é a importância de um estágio, tendo em conta a sua área de atividade e o curso que tirou?
Para muitos recém-licenciados, o estágio poderá ser o primeiro contacto com o meio empresarial – como tal, tem um papel fulcral no crescimento profissional dos jovens. E tem-no porque nos dota de alguma experiência em contexto real, experiência essa que é tão valorizada e exigida em entrevistas de emprego.
No fundo, um estágio bem construído e fundamentado, que vise o crescimento do estagiário, é absolutamente fundamental. Permite que se faça o cruzamento entre os conhecimentos teóricos adquiridos durante a licenciatura com o know-how empírico que só as dinâmicas do dia a dia de uma empresa conseguem providenciar.

“Reconheço a importância dos conteúdos teóricos da minha licenciatura, mas é apenas quando agimos ativamente no mercado de trabalho que o verdadeiro processo de aprendizagem começa.”


Fale-nos dos primeiros dias em contexto profissional. O que aprendeu? Ao que é que teve de se habituar? O que mudou em si?
Existe uma completa mudança de atitude a partir do momento em que se entra dentro do escritório. A consciência de que, a partir desse momento, temos um determinado conjunto de tarefas a desempenhar que vão implicar necessariamente a interação com uma série de agentes do meio profissional, e que o desempenho dessas tarefas pressupõe o crescimento de uma organização, dota-nos claramente de um maior sentido de responsabilidade.


Ao dia de hoje, o que sente que vai levar deste estágio? Quais são as mais-valias de o ter feito?
O essencial é mesmo o contacto com o mundo empresarial, o mundo real. A experiência adquirida é importante pois faz-nos crescer e será valorizada no futuro pelas entidades empregadoras. A realização do estágio permite também que se comece a construir uma rede de contactos, que é algo igualmente bastante importante.
A componente verdadeiramente prática do estágio revela-se a melhor forma de aprender.


Para fazer este estágio, fez uma licenciatura. O que é que ela lhe ensinou que se revelou fundamental para entrar no mercado de trabalho?
No meu entender, a licenciatura acaba por ser apenas o “passaporte” para a verdadeira aprendizagem que é o mundo laboral. Contudo, reconheço a importância dos conteúdos lecionados, pois permitem que tenhamos um conhecimento teórico das matérias, e que gradualmente comecemos a construir a nossa personalidade empresarial – visão do mercado, ideias de negócio e estratégias.
Mas é efetivamente apenas quando agimos ativamente no mercado de trabalho que o verdadeiro processo de aprendizagem começa.


Em seu entender, do que precisa um jovem para sair da universidade preparado para ser um profissional da área?
Um jovem que saia da faculdade tem de sair preparado para continuar a aprender. Ser humilde o suficiente para perceber que, apesar de ter um papel que atesta que é licenciado, vai cruzar-se na sua vida profissional com pessoas que, não tendo nenhuma formação académica, terão certamente muito para ensinar, porque têm o maior importante de todos os conhecimentos – o empírico.


Que desafios vão os jovens encontrar no mundo profissional, que não conheciam do mundo académico?
A dificuldade em lidar com pessoas, com exigências de clientes, com pressões de superiores hierárquicos, com maiores responsabilidades, com uma menor margem de erro.
É um processo de crescimento contínuo que nunca terá fim.

[Foto: cedida pela entrevistada]

Esta entrevista é parte integrante do Guia de Acesso ao Ensino Superior 2017/18 da Mais Educativa, disponível para consulta aqui.

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Artigos recentes

Publicidade

Noticias

Publicidade

Publicidade

PGlmcmFtZSAgc3R5bGU9ImRpc3BsYXk6IGJsb2NrOyBtYXJnaW46IDBweCBhdXRvOyIgIGlkPSJfeXRpZF83MzIyMyIgIHdpZHRoPSI0OTAiIGhlaWdodD0iMjc2IiAgZGF0YS1vcmlnd2lkdGg9IjQ5MCIgZGF0YS1vcmlnaGVpZ2h0PSIyNzYiIHNyYz0iaHR0cHM6Ly93d3cueW91dHViZS5jb20vZW1iZWQvUmdEV0xqV1I5LWs/ZW5hYmxlanNhcGk9MSZhdXRvcGxheT0xJmNjX2xvYWRfcG9saWN5PTEmcmVsPS0xJml2X2xvYWRfcG9saWN5PTEmbG9vcD0wJm1vZGVzdGJyYW5kaW5nPTAmZnM9MSZwbGF5c2lubGluZT0wJmF1dG9oaWRlPTImdGhlbWU9ZGFyayZjb2xvcj1yZWQmY29udHJvbHM9MSYiIGNsYXNzPSJfX3lvdXR1YmVfcHJlZnNfXyBuby1sYXp5bG9hZCIgdGl0bGU9IllvdVR1YmUgcGxheWVyIiAgYWxsb3c9ImF1dG9wbGF5OyBlbmNyeXB0ZWQtbWVkaWEiIGFsbG93ZnVsbHNjcmVlbiBkYXRhLW5vLWxhenk9IjEiIGRhdGEtc2tpcGdmb3JtX2FqYXhfZnJhbWViamxsPSIiPjwvaWZyYW1lPg==