Connect with us

Novidades

O que não deves fazer nos exames nacionais

Avatar

Publicado há

em

O Júri Nacional de Exames revelou que os diretores escolares anularam, no ano passado, 53 exames nacionais. Sabe aqui o que te pode valer um redondo zero nas tuas provas.

No ano de 2014, os diretores escolares anularam 53 provas nacionais a alunos por tentativa de fraude. E porquê? As cábulas, o uso de telemóvel e até o recurso a identidade falsa são algumas das irregularidades, e o principal problema é a presença do telemóvel dentro da sala.

O relatório do Júri Nacional de Exames (JNE) sobre o “Processo de Avaliação Externa da Aprendizagem – Provas Finais de Ciclo/Exames Nacionais 2014” revela que foram 37 os exames nacionais de alunos do Ensino Secundário, e 16 as provas de estudantes do Ensino Básico a serem anulados. Todos os casos relacionados com o Ensino Básico tiveram origem numa razão: os alunos terem consigo o seu telemóvel.

No Ensino Secundário, e das 37 provas anuladas, 8 foram por fraude e as restantes 29 por outras irregularidades. Das 8 fraudes, em três foi provado o recurso a cábulas, com “utilização deliberada de telemóvel, fotografando a prova resolvida, para posterior envio para outro examinando”, segundo o que diz o documento. Nos restantes cinco casos foram detetadas irregularidades como posse indevida de telemóvel ou outros meios de comunicação móvel, mas mais por distração do que por outra coisa.

Os casos mais graves envolveram suspeita de fraude, uma ocorrência de falsa identidade, um desaparecimento de uma prova, uma denúncia de alegada ajuda por parte de um professor vigilante e uma comunicação de ausência de professor coadjuvante, em circunstâncias alegadamente irregulares.

Há outras situações com as quais deves aprender, para não caíres no mesmo erro. Por exemplo, 1127 alunos do Ensino Básico e 215 do Ensino Secundário chegaram à escola sem o documento de identificação necessário, houve mais de uma centena de casos onde os alunos quiseram fazer o exame com um lápis, e houve ainda 29 alunos do Ensino Básico que chegaram à prova com uma calculadora que não cumpria as características técnicas permitidas.

Publicidade
Clica para comentar

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *