Connect with us

A tua Revista

O verde está na moda!

Publicado há

em

Imagens cedidas pelas entrevistadas

Quantas vezes já viste etiquetas ou selos verdes? 100% reciclável, vegan, bio, orgânico, eco…. Estão por todo o lado! E o planeta agradece. Reduzir, reaproveitar e reciclar são as palavras de ordem que nos obrigam a inovar, procurar e encontrar novas formas de viver em harmonia com o planeta. Em Portugal, temos assistido a um enorme aumento de marcas portuguesas e amigas do ambiente, bem como a um aumento da procura. Se procuras roupa ou acessórios de qualidade e eco-friendly, confere 3 marcas que lutam pela moda sustentável e 100% original.

Tomaz

Uma marca que nasceu em 2015 e segue o critério que não se pode esquecer, no que toca ao design exclusivo: funcionalidade e ecologia. Eliana Tomaz, designer, explica a origem da sua marca, “Construir uma marca própria sempre foi um desejo. A ideia inicial era decoração para a casa, mas comecei com acessórios de moda. Uns tempos depois comecei a introduzir pequenos objetos para a casa.” Malas, sacos, bolsas, cintos, velas são apenas alguns exemplos de produtos únicos que podes encontrar em tomazdesign.com Mas, há um produto super original que se destaca: o saco Cheers que serve para transportar uma garrafa de vinho e o tote bag Maximini.

Apesar dos temas sustentabilidade, economia circular, e relacionados estarem a ser mais do que nunca falados, será que isso faz com que as pessoas alterem os seus hábitos de compra? “Os nossos clientes dão muita importância ao trabalho manual, ao design e à qualidade, contudo ainda é um nicho. Ainda há muito trabalho para fazer à volta da economia circular, do desperdício zero e do trabalho manual.” O que faz com que o maior desafio seja “Fazer dinheiro com um projeto que usa mão de obra artesanal e especializada e matéria-prima de alta qualidade.”

Fluffy Organic & Eco

Uma marca portuguesa criada por Marisa com a missão de disponibilizar às famílias e às mulheres, em especial, produtos de higiene reutilizáveis contribuindo para a melhoria da saúde íntima e da sustentabilidade do planeta. “No meu primeiro filho tentei reduzir ao máximo a quantidade de lixo e tinha muito menos informação, na segunda filha queria continuar a mesma linha de atuação.” Com esta convicção começaram as pesquisas e o interesse de Marisa foi aumentando… “Comecei também a fazer algumas experiências com alguns tecidos, fraldas, capas, os absorventes…. Um dos tecidos era de cânhamo e algodão biológico, muito fofinho (fluffy) e foi daí que nasceu o nome Fluffy. Era um tecido muito absorvente, natural, perfeito para ser usados em fraldas reutilizáveis. Como em Portugal não havia nenhuma marca a fazer fraldas reutilizáveis eu pensei – “É isto que eu vou fazer!”

No site da Fluffy poderás encontrar produtos específicos para a mulher destinados ao seu cuidado pessoal, fraldas reutilizáveis, discos desmaquilhantes reutilizáveis e produtos de higiene.

A Fluffy tem sete anos. O que mudou?

“Eu noto que há pessoas que se interessam por evitar cada vez mais o desperdício, e por melhorar esta faceta das suas vidas. Muito diferente de quando eu comecei há quase sete anos, em que não havia uma abertura muito grande, não havia tanta procura. Há cada vez mais partilha de informação, mais procura por alternativas e fala-se mais no assunto. E ainda bem, temos mesmo de começar a mudar hábitos e atitudes.”

daniela ponto final

Sem se rever na oferta de vestuário disponível no mercado, Daniela com a ajuda preciosa da sua avó Fernanda, costureira, foi criando e produzindo as suas primeiras peças de vestuário. “O nome veio de uma conversa e pausa para café durante o estágio, o filme sobre a marca Chanel era o tema de discussão e um colega também estagiário na altura comentou “Já viste que máximo, um dia dizeres, ‘isto é Daniela Duarte e ponto final!?’”. Na verdade, a brincadeira foi comigo para casa e comecei a esboçar o nome e logótipo da marca.”

No seu site danielapontofinal.com podes encontrar camisas de tons arrojados e descontraídas, sweats, gorros, acessórios… peças únicas, originais e feitas à mão! Sendo as camisas das séries limitadas DANIELA’SHIRT EDITION, o produto com mais procura. E se muitos empreendedores passam horas a medir resultados e a fazer comparações, Daniela tem uma forma mais orgânica e pessoal de ver o seu negócio. “Nunca foi nada planeado ou estruturado, aliás, costumo dizer que sou um péssimo exemplo de empreendedorismo, porque mais do que um negócio, sempre foi tudo muito à base do “amor à camisola”, literalmente! Quando comecei a perceber que poderia efetivamente ser o meu trabalho, ou melhor, assumindo que é sim um negócio, o meu trabalho, aborreço-me olhar para a marca dessa forma, não gosto dessa parte de “fazer contas” de atribuir valores materiais ao que faço… “daniela ponto final” é, no fundo, um reflexo de mim mesma, de fazer algo que me dá imenso prazer, de me expressar, é daniela, ponto final!”

A sustentabilidade é o tema que está na ordem do dia, mas há dez anos não era assim… “Quando comecei com a marca, “sustentabilidade na moda” não era um tema com o peso e a visibilidade que tem hoje. Nem eu, sinceramente, assumi essa etiqueta há dez anos atrás…sempre quis ser diferente da oferta “fast fashion”, não fazia sentido para mim, ser mais uma, e as circunstâncias da altura também fizeram com que o percurso fosse neste sentido, trabalho de atelier, pequena escala, séries de reprodução limitada, fornecedores locais, trabalhar com os restos dos outros, produção em casa ou pequenas confecções familiares, sempre foi assim… respeitar o tempo dos processos, saber o nome das pessoas que fazem parte deste universo, penso que o maior desafio assenta, sobretudo, em me manter fiel ao que acredito e ao que fez com que mais “danielas” se identificassem com o meu trabalho e, até hoje, quando vestem uma peça minha, afirmem convictamente que “é daniela, ponto final!”.

Publicidade
Clica para comentar

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Publicidade

Artigos recentes

Publicidade

Noticias

Publicidade